Por que voltei para o Brasil?

03.08.2018

 

Ééé isso mesmo que você leu, eu estou de volta ao nosso país amado!!! E vim compartilhar com vocês de como e porque viemos parar aqui.

Bom, desde o começo do ano nós já sabíamos que iríamos nos mudar do Arizona, pois a gente ainda não consegue criar raízes, e já estávamos entediados de certa forma da vida por lá. Apesar de termos conhecido uma galera muito massa por lá e feito bons amigos, alguns fatores já estavam nos incomodando demais e sabíamos que assim que o contrato do Andrew terminasse nós iríamos pra algum outro canto. Então alguns meses antes disso acontecer, nós selecionamos alguns Estados que gostaríamos de morar e meu marido começou a aplicar pra várias oportunidades de empregos neles, e nessa caça nós começamos a achar informações sobre “teach abroad” dar aula em outros países, afinal de contas o Andrew é professor. Nós dois temos muito esse espírito de “wanderlust”, de querer viajar, desbravar e se aventurar, então morar em outro país sempre foi uma possibilidade muito aberta pra nós, principalmente depois da nossa viagem pra Tailândia que expandiu demais os nossos horizontes.
Então assim meio que brincando o Andrew aplicou para algumas dessas vagas em outros países, só pra ver no que que dava, mas a gente não tinha realmente essa esperança de que alguma ia dar certo, pois mesmo amando mudar e viajar, de certa forma a gente acaba se acomodando e acaba preferindo o que é “mais fácil”. Foi então que ele foi chamado pra uma entrevista pra dar aulas de inglês na África, uau! Eu fiquei em choque, pois sempre tive muita vontade de fazer trabalho voluntário por lá e aquilo mexeu comigo. Alguns dias após a entrevista boom, ele recebeu a oferta de emprego, aí foi hora de colocar os pés no chão, analisar e ver se era isso mesmo que nós queríamos. Eu pesquisei muito, sobre o país pra onde teríamos que ir, conversei com pessoas que moravam lá, e diversas razões nos fizeram recusar a proposta, mas também não tivemos aquele feeling de que era a coisa certa a se fazer ou talvez a hora certa. Logo em seguida, além de algumas entrevistas pelos Eua, ele foi chamado pra outra entrevista, dessa vez para uma escola americana que trabalha com escolas parceiras no Brasil, e a oportunidade de dar aula que ele já dá, de história, falando em inglês e o melhor, na cidade de onde eu nasci e cresci, Curitiba. O coração balançou e a razão travou, “poxa mas voltar a morar no Brasil, logo agora que eu já estou tão acostumada com a vida aqui?...” foi meu pensamento inicial. Eu não achei que o Andrew ia levar aquilo a sério, e a escola não dava nenhum posicionamento então eu até esqueci dessa idéia, mas todo dia ele me falava do quanto ele queria que desse certo a oportunidade de ir trabalhar no Brasil, e eu podia ver que aquela idéia realmente o deixava muito inspirado e feliz, então eu comecei a relaxar e pensar mais sobre o assunto.
Os Estados Unidos realmente tem coisas maravilhosas, começando pelo fato de se viver com segurança 24 horas por dia, sem medo, porém viver lá nunca foi meu objetivo de vida, tudo aconteceu porque eu queria aprender inglês e no programa de intercâmbio acabei conhecendo o amor da minha vida, mas nada me prende aquele país, o que me importa e me faz feliz é estar junto dele, nos Eua ou na China! Além disso, eu sempre senti muita falta de algumas coisas no Brasil, em primeiro lugar minha família, depois a comida e também da nossa cultura de uma forma geral, a facilidade em fazer amigos e entrosar em qualquer conversa. Enfim, pensar em tudo isso eu acredito que foi o que me fez querer sair da minha zona de conforto e foi quando o Andrew, após muitas semanas de espera, recebeu a oferta de trabalho pra dar aula no Brasil. Avaliamos a proposta por um bom tempo, antes de tomar qualquer decisão, analisamos os prós e contras e chegamos à conclusão que era exatamente essa aventura que a gente estava precisando e por o contrato ser inicialmente 2 anos decidimos que seria um bom tempo pra vivermos essa experiência. Eu sempre quis muito que ele aprendesse o português, pois apesar de arranhar um pouco, ele ainda tem muita coisa pra aprender, e ter a chance de poder passar um tempo pertinho da minha família então foi com certeza o fator decisivo pra nossa escolha, além de que, por a escola ser americana, eles oferecem um pacote legal de salário e benefícios, que nos deu confiança de poder vir e saber que teríamos pelo menos condições de viver tranquilos por aqui. E aí viemos, com 8 malas com apenas roupas e objetos muito pessoais, chegamos felizes e contentes, fizemos surpresa pra minha família e foi surreal receber a reação e o carinho de cada um.

Pretendo fazer vários posts de tudo o que está acontecendo por aqui, e registrar momentos dessa jornada, pois também queremos aproveitar pra conhecer vários lugares por esse Brasil.

Se você quiser acompanhar diariamente e mais de perto, me segue no insta @gesorich  e me mandem dicas do que vocês querem saber da nossa vida aqui e o que acham legal postar aqui pra vocês.
Um beijo e até a próxima!!!


















































































































































 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

  • b-facebook
  • Twitter Round
  • Instagram Black Round

GEOVANNA SORICH  |  GCSORICH@GMAIL.COM   |   CURITIBA,PR - BRASIL

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now